Introdução

Como o exame é feito? Saiba os detalhes sobre como é feito o exame de DNA.

Os seres humanos compartilham a grande maioria das sequências de DNA entre os membros de sua espécie, contudo apresentam algumas diferenças que tornam possível a identificação humana a partir de amostras biológicas. Algumas dessas diferenças contidas em nosso DNA são chamadas de polimorfismos genéticos.

Como todas as células de um indivíduo contêm praticamente o mesmo DNA, o exame genético pode ser realizado com as mais diversas matrizes biológicas (sangue, saliva, líquido amniótico, unhas, fios de cabelo com raiz, etc) produzindo o mesmo resultado com igual exatidão.

No teste de vínculo de parentesco por DNA, são comparados os polimorfismos genéticos dos indivíduos testados com a finalidade de se estabelecer a probabilidade de parentesco entre eles por meio de cálculos estatísticos.

Procedimentos Laboratoriais


Extração: Primeiramente, as amostras passam pelo processo de extração do DNA em que contaminantes e inibidores da PCR (Polymerase Chain Reaction) são eliminados. Para as amostras de tecido sanguíneo coletadas em papel FTA, utiliza-se o protocolo Whatman FTA Protocol BD01 - Applying and Preparing Blood Samples on FTA® Cards for DNA Analysis.

Já nas amostras de swabs bucais se aplica o protocolo Rapid and effective processing of blood specimens for diagnostic PCR using filter paper and Chelex-100 (1998) adaptado. Para amostras forenses ou com baixa quantidade de DNA, faz-se uso dos kits de extração QIAamp DNA Mini Kit ou QIAamp DNA Investigator Kit, de acordo com as instruções do fabricante.

Amplificação: O número mínimo de regiões de praxe analisadas correspondem aos 16 loci gênicos contidos no kit de amplificação AmpFℓSTR® Identifiler® da Applied Biosystems® (P.N. 4365489), exceção dada somente aos testes de cromossomo Y, em que são analisados 17 loci específicos deste cromossomo.

Em casos mais complexos como, por exemplo, quando ocorrem possíveis mutações ou em reconstruções de parentesco, outras regiões adicionais podem também ser amplificadas para assegurar uma análise mais assertiva. A reação em cadeia de polimerase é realizada pelo termociclador Applied Biosystems 2720, cujo protocolo de ciclagem foi extraído do AmpFlSTR® Identifiler™ PCR Amplification Kit User’s Manual (2006).


Cariótipo indicando as 16 regiões do DNA amplificadas utilizando o kit de amplificação AmpFℓSTR® Identifiler® da Applied Biosystems®.

Caracterização Alélica: a caracterização alélica será realizada com o sequenciador capilar 3130 ou 3730 XL Genetic Analyzer da Applied Biosystems®, gerando assim o perfil genético de cada indivíduo como indicado pelo eletroferograma abaixo:

Controles de qualidade: Para garantir o perfeito processamento das amostras, todas as rotinas laboratoriais possuem procedimentos operacionais padrão (POPs) que são realizados simultaneamente por duas pessoas altamente capacitadas e com formação na área de biológicas.

Nossos principais fornecedores são empresas líderes no seguimento de biologia molecular como Life Technologies, Qiagen e Promega. Em todas as análises são utilizados controle negativo, positivo e escada alélica na proporção 1:16.

Após obtenção dos resultados, todos os perfis genéticos obtidos das amostras analisadas são comparados entre si por um algoritmo que assegura não ter havido nenhuma troca entre as amostras. Mesmo tomando todas essas precauções, as amostras são analisadas em duplicata quando há exclusão de paternidade, assegurando dessa maneira uma análise assertiva e à prova de falhas.

Cálculos: Os cálculos são realizados através das conceituadas fórmulas estatísticas de Brenner 2004 e Eisenberg e Planz 2007 ilustradas no apêndice 8 do AABB Guidance for Standards for Relationship Testing Laboratories. Tais fórmulas calculam a probabilidade de parentesco entre: pai e filho, irmãos germanos, meios-irmãos, primos, tio e sobrinho e avós e netos. As frequências alélicas e mutacionais utilizadas são as fornecidas pela AABB (American Association of Blood Banks).